segunda-feira, 30 de maio de 2016

A VERDADEIRA CRISE - IGREJA PRESBITERIANA DE ITAPEMA - 29/05/2016






Video da Pregação dada pelo Missionario . Thiago William  , na Igreja Presbiteriana de Itapema em 29/05/2016



video

CVV — Centro de Valorização da Vida

SUICÍDIO
O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, tirando a vida de uma pessoa por hora no Brasil, mesmo período no qual outras três tentaram se matar sem sucesso.

Trata-se de um problema que se pode prevenir na grande maioria das vezes e esse é um dos maiores esforços do CVV. O estudo e a discussão do tema suicídio é uma das formas mais eficientes de se promover a prevenção, pois esta só é possível quando a população, os profissionais da saúde, os jornalistas e governantes têm informações suficientes para conduzir as medidas adequadas e ao seu alcance nessa frente.

O CVV — Centro de Valorização da Vida, fundado em São Paulo em 1962, é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal em 1973. Presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo.

Realizamos mais de um milhão de atendimentos anuais por aproximadamente 2.000 voluntários em 18 estados mais o Distrito Federal. Esses contatos são feitos pelo telefone 141 (24 horas), pessoalmente (nos 72 postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br via chat, VoIP (Skype) e e-mail.

É associado ao Befrienders Worldwide, entidade que congrega as instituições congêneres de todo o mundo e participou da força tarefa que elaborou a Política Nacional de Prevenção do Suicídio do Ministério da Saúde.

Em setembro de 2015 iniciamos o atendimento pelo telefone 188, primeiro número sem custo de ligação para prevenção do suicídio que, neste primeiro momento só funciona no estado do Rio Grande do Sul, onde o 188 é operado pelo CVV em fase de teste para ampliação a todo território nacional.

O CVV desenvolve outras atividades relacionadas a apoio emocional além do atendimento, com ações abertas à comunidade que estimulam o autoconhecimento e melhor convivência em grupo e consigo mesmo em todo o Brasil. A instituição também mantém o Hospital Francisca Julia que atende pessoas com transtornos mentais e dependência química em São José dos Campos-SP.

O CVV assumiu como tarefa, desde a sua criação, estimular essa discussão, ação esta que passou a merecer mais empenho nesses últimos anos.

Reunimos aqui textos, estudos e discussões a respeito do tema. Queremos a sua colaboração, seja você um pesquisador, profissional da saúde, educador, pessoa impactada diretamente pelo problema ou, simplesmente, um interessado pela vida humana.



Baixe alguns arquivos interessantes sobre o assunto:

Suicídio informado para prevenir ABP 2014

Falando Abertamente sobre Suicídio (folheto voltado para jovens e adolescentes elaborado pelo CVV).

Comportamento suicida: conhecer para prevenir (cartilha para profissionais da imprensa elaborada pela ABP - Associação Brasileira de Psiquiatria).

Prevenção do Suicídio: Manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental (elaborada pelo Mistério da Saúde e OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde).

QUERO CONVERSAR
Mesmo que você não tem certeza de que precisa de nossa ajuda, não tenha receios em entrar em contato com a gente. Um de nossos voluntários estará à sua disposição.

Escolha a opção mais adequada para você conversar com a gente:



SEJA VOLUNTÁRIO

O voluntário do CVV doa seu tempo, sua atenção, para quem precisa conversar sobre todos os assuntos e não tem conseguido fazer isto com as pessoas próximas.

Se você tem mais de 18 anos de idade, pelo menos quatro horas disponíveis por semana e vontade de ajudar pessoas, você pode ser um plantonista do Programa de Apoio Emocional do CVV. Para isto você precisa participar de um curso gratuito de preparação de voluntários em uma de nossas sedes. As principais frentes de atuação do plantonista são o atendimento por telefone, Skype e o chat. Para se cadastrar e participar gratuitamente do curso, clique aqui e faça sua inscrição.

Veja os próximos Cursos Para Novos Voluntários (Agenda de Cursos)

Também é possível ser um voluntário-especialista, nos auxiliando com seus conhecimentos e recursos próprios, como, por exemplo, na divulgação, captação de recursos ou tecnologias. Nesse caso, pedimos que entre em contato pelo e-mail central@cvv.org.br.







Posto CVV em Itapema
Rua 622, nº 63 Tabuleiro
Telefone (47) 3368 4111 ou 141





segunda-feira, 23 de maio de 2016

Neurocirurgião fala sobre efeitos da oração e comprova benefícios: "A fé a ciência estão dialogando"



Que a oração tem efeitos sobrenaturais e surpreendentes já não é mais segredo para quem caminha com fé. Porém um vídeo no qual o neurologista apresenta recentes descobertas científicas sobre os efeitos da oração ganhou efeito viral nos últimos dias, compartilhado nas mídias sociais.
No vídeo que tem que já soma dezenas de milhares de visualizações nos mais diversos perfis do Facebook, o neurocirurgião Fernando Gomes fala durante sua participação no programa 'Encontro' - apresentado por Fátima Bernardes - sobre estudos que comprovaram o efeito positivo da oração e da fé na vida das pessoas.
"A fé a ciência estão conversando. Está diferente. Trabalhos neurocientíficos mostrando como trabalha o cérebro durante a oração já mostraram que algumas áreas como o lobo frontal, que está relacionado com a concentração e a atenção e a parte emocional do cérebro - o sistema límbico - ficam mais funcionantes durante a oração", disse.
Dr. Fernando também destacou o efeito positivo da oração em diversas situações, como por exemplo, no caso de pessoas que contaram com as orações de amigos, parentes ou até mesmo desconhecidos.
"Certas coisas a ciência não consegue explicar, mas a gente percebe o que acontece. Por exemplo, há trabalhos científicos feitos em UTI, mostrando que pessoas que 'receberam orações', comparadas com um grupo que não recebeu orações, tinham menos complicações", afirmou.

video

A PALAVRA GUARDADA

Salmo 119.11 - “Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti”. Um grande problema do mundo atual é celeiros. Não há onde colocar a produção, pois os silos estão lotados. Não há mais onde colocar o lixo, pois produzimos uma quantidade enorme e o meio ambiente já está todo contaminado. Não há onde guardar as coisas boas e nem as coisas ruins. Assim acontece com a nossa mente. Não há mais espaço para aquilo que realmente nos interessa. Estamos estressados, cansados e ocupados demais para parar e ouvir a voz de Deus. Filmes, revistas, internet e tantas outras fontes de informação já ocupam todo o espaço da mente da população. Onde colocar mais alguma coisa? O salmista disse que quer fazer do seu coração um depósito útil, para algo realmente útil, para obter algo que realmente fará diferença em sua vida. Ele, assim como nós, devemos oferecer nosso coração como um útil depósito para tudo aquilo que venha de Deus e seja útil para nosso crescimento espiritual.
CONSAGRE O TEU CORAÇÃO A DEUS COMO UM BOM DEPÓSITO
Em primeiro lugar veremos que O CORAÇÃO É MELHOR DEPÓSITO PARA GUARDAR ALGO REALMENTE IMPORTANTE. O salmista disse: “GUARDO NO CORAÇÃO”. Quando estão apaixonados os namorados desenham nas árvores os seus nomes dentro de corações, pois assim querem dizer que seu amor está guardado no lugar mais importante que possuem. Alguns depósitos podem se tornar inseguros para aquilo que é guardado nele. A geladeira, tão útil para guardar alimentos perecíveis, pode se tornar inútil de a energia acabar. A despensa pode ser atacada por ratos e baratas e os alimentos podem ser contaminados ou podem ser roubados por ladrões. Quando se tem algo de valor guarda-se num cofre ou num local muito bem protegido. O coração é o melhor depósito que podemos oferecer. Ele é protegido por uma couraça de ossos e proteções internas. Quando dói logo cuidamos dele, pois se parar a gente morre. Dele procedem as fontes da vida (Pv 4.23). Ele regula o que sai de nossa boca e é ele quem, muitas vezes, nos guia em nossas decisões.
     Em segundo lugar veremos QUAL É O MELHOR OBJETO A SER GUARDADO COM SEGURANÇA - “GUARDO AS TUAS PALAVRAS”. Guardamos roupas e sapatos que não gostamos para um dia fazer uma boa ação e nos livrarmos deles. Guardamos objetos velhos e resto de obras na esperança de um dia usá-lo até descobrirmos que não teremos como usá-los, e então jogarmos fora. Guardamos, também, maus sentimentos que só nos fazem mal. E guardamos lembranças do passado que muitas vezes não nos deixam viver o presente e planejar o futuro. Japoneses são inteligentes e provam isto jogando fora aquilo que não usarão mais. Depois, quando precisam, compram um novo. O que devemos guardar? Devemos guardar o que de fato nos é útil. O salmista nos responde: “Guardo, no coração, as tuas palavras”. O que são “as tuas palavras”?  É lâmpada para os pés e luz para o caminho (Sl 119.105) É a verdade que liberta. Ela nos ilumina para discernirmos os pensamentos e os propósitos do nosso próprio coração (Hb 4.12) Se a observarmos com cuidado guardaremos puro o nosso caminho (Sl 119.9) e muito mais. Ela deve ser preservada, protegida, cumprida, obedecida, priorizada e tida por todos como o melhor alimento. Não há nada mais útil e necessário a ser guardado no coração do que a Palavra de Deus.
     Em terceiro lugar veremos O MELHOR OBJETIVO DE SE GUARDAR ALGO REALMENTE ÚTIL - “PARA NÃO PECAR CONTRA TI”. Alpinistas se expõe a temperaturas extremamente frias e por situações perigosas apenas para, no final, tirar uma foto e deixar uma bandeira congelada no cume do monte. Homens gastaram milhões para ir à lua para deixar nela rastos e uma bandeira para fazer inveja em quem não foi lá. Competidores se preparam por meses para ganhar um cheque, uma medalha e um colar de folha de louro. Vale a pena? Paulo nos fala da superioridade do objetivo do cristão: A Coroa incorruptível. O salmista disse que guardaria a Palavra de Deus no coração para não pecar contra Deus. Esse é o melhor objetivo que alguém pode ter. Guardá-la no coração fortalece na hora da tentação. O grande vilão da história dos homens é o pecado, pois é ele que nos afasta de Deus e para vencê-lo temos de usar a Palavra. Não pecar contra Deus é preservar a vida e o relacionamento com Deus. Quem peca traz conseqüências contra sua própria alma. Por causa do pecado foi necessário o Sacrifício de Cristo. É por isso que “NÃO PECAR” é o melhor objetivo que podemos ter.  


  (Rev. Silas Matos Pinto).


ÁGUA SOBRE O ALTAR




I Reis 18.22-40 – A instabilidade humana é algo espantoso. Muitos desejam ver grandes obras de Deus esperando que estas visões lhes fortaleçam a fé, mas a coisa não é bem assim. Nossa fé não é firmada naquilo que vimos, mas naquilo que cremos, mesmo que nossos olhos, nem nossos sentidos tenham tido esta experiência. As obras de Deus sempre visaram Sua glorificação. Deus disse a Moisés que faria grandes obras no Egito para que o mundo O conhecesse e soubesse que ele é o único Deus. Todas as obras feitas no Egito, a abertura do Mar Vermelho, o sustento do povo por 40 anos, a abertura do rio Jordão, serviram para infundir, nos povos, temor, pois sabiam que Israel tinha um Deus que pelejava por ele. No entanto, o povo em si se mostrou falho, pois, mesmo com tantas manifestações do poder de Deus o povo sempre desviava dEle. Vê-se isto quando Moisés subiu ao monte e demorou a voltar e eles fizeram para si um bezerro e disseram que aquele era o deus que os havia tirado do Egito. Elias, neste texto, enfrenta a fragilidade do povo e sua tendência idólatra, pois estavam em dúvida a quem deviam servir, se a Deus ou a Baal. Assim como eles, continuamos tendo uma tendência de criar ídolos para nós, por isto, neste estudo, trataremos sobre o dever que temos de ANULAR TODA E QUALQUER CHANCE DA IDOLATRIA SE INSTALAR EM NOSSAS VIDAS.
   Neste texto Elias jogou três baldes de água sobre o altar e do mesmo modo temos de agir. Veremos que para isto é necessário que APAGUEMOS DE NÓS A MANIA HUMANA DE CRIAR ÍDOLOS. Olhamos com desdém os 450 profetas de Baal ao ver como foram ridículos em seu culto e acabaram cansados, feridos, desamparados, envergonhados e desmoralizados. No entanto, se não queremos acabar como eles, devemos prestar mais atenção neles. Assim como nós, eles também eram homens religiosos, zelosos e devotados. Por que Elias molhou 3 vezes o altar? Porque os profetas clamaram por horas e ele orou por apenas cerca de 20 segundos. O povo poderia ficar em dúvida sobre a origem do fogo. Simbolicamente, Elias jogou baldes de água na idolatria do povo. O primeiro balde de água serviu para apagar a confiança em Baal. Somos de um país idólatra e corremos o risco, de alguma forma, expressar algum tipo de idolatria. O ídolo foi criado pelos homens para poder ver Deus. É mais fácil orar quando se vê o objeto da adoração. No entanto, Deus não aceita e nunca aceitou imagens, pois as imagens limitam o Seu poder e coloca em dúvida a Sua Palavra.  Ele diz que nos ouve, mas o idólatra só crê se ver o ídolo. Deus está em toda parte, mas o idólatra só ora diante do oratório. O ídolo passou a substituir Deus e a vela substitui o adorador, para completar a adoração falsa que prestam a Deus. Não é somente entre os idólatras que há falsos deuses; entre nós também há! Muitos, literalmente, adoram a placa da sua igreja, pregadores, escritores e cantores evangélicos, "seu" ministério, prestígio pessoal, etc. São extremamente devotados aos seus "ídolos": Viajam para assisti-los, desmarcam compromissos e até matam serviço. A exemplo dos profetas de Baal, estes não terão um final feliz. A boa palavra não vem do pregador famoso, vem de Deus. A cura não vem daquela pessoa consagrada, vem de Deus. Você não será edificado pelo grupo musical, mas pelo E. Santo. É preciso apagar a mania humana de criar e cultivar ídolos.
   Veja que também é nescessário que se APAGUE A VALORIZAÇÃO DADA AOS RITUAIS. O que são rituais religiosos? São a preparação para o encontro do adorador com o ser adorado. Os 450 profetas fizeram seu ritual na certeza de que, por causa dele, seriam ouvidos. Invocavam, manquejavam, se movimentavam ao redor do altar, clamavam em alta voz e se retalhavam, arrancando sangue de si. Nós também temos nossos rituais e são importantes para nossa preparação. Levítico está cheio de rituais dados por Deus. O ritual serve para preparar o adorador e não do Ser adorado. No nosso culto, antes de Deus falar conosco na pregação de Sua Palavra, temos o período de adoração, contrição, louvor e só depois é que passamos para a edificação, quando nossos corações já foram preparados para esse importante e central momento do culto. Nossos rituais não são determinantes para a ação divina. Jesus não usou, nem ensinou nenhum ritual para curar alguém. Os rituais a Baal eram grandiosos, bem elaborados e impressionantes. Neste, por exemplo, além dos 450 profetas, havia mais 400 profetas do poste ídolo. Ainda vimos sinais desta importância dada aos rituais quando pastores propagam a presença dos “300 homens de Deus ungidos”, por exemplo, como se a presença deles fizesse alguma diferença para a ação de Deus. No ritual a Baal tinha tudo o que o povo gostava e o povo, admirado, se envolvia no ritual. É incrível e até vergonhoso admitir, mas de uns tempos para cá vem crescendo no meio evangélico uma inexplicável confiança em rituais. A oração, que não tem forma definida para ser ouvida por Deus e sim, o que conta é o coração contrito, tem sido valorizada somente se for cheia de barulho, mãos erguidas ou se estiverem todos de joelho. Ainda usam dança do espírito e desmaios. Parece que aquele culto simples, que funcionou por séculos, não satisfaz mais. Crentes "modernos" desejam "shows" com dança, teatros, véus, luzes, pirotecnia. Os irmãos que gostavam de cantar na igreja deixaram de o fazer, pois não faziam shows, só louvavam a Deus e por medo da crítica, deixaram de louvar. Muitos crentes andam a caça de "Culto Disso", "Quebra Aquilo", "Cura Aquilo-Outro", "Corrente do Não-Sei-O-Quê", "Rede Sei-Lá-Das-Quantas", terapias, simpatias, gritarias, porcarias, etc. E com tudo isto o povo de Deus continua fraco, doente e morrendo, por quê? Porque não confia mais em Deus, e sim em rituais. O uso de óleo no culto, por exemplo, não teria problema se os crentes não dependessem dele para crer na ação de Deus. Facilmente fazem do óleo um ritual necessário e até um ídolo, que sem ele Deus não age. De qual ritual você depende para sentir que Deus está contigo e agirá em ti? Deus não precisa de ritual para agir, somente você é que precisa dele para se preparar.
   Vejamos também que devemos APAGAR O VALOR DADO AOS ESFORÇOS PESSOAIS. Gostamos de ter méritos pessoais. Eles dão certa tranqüilidade para negociarmos. A autoflagelação dos profetas visava atrair a atenção e o favor de Baal. Muitos crentes acreditam que se ficarem sem comer ou fizer penitências Deus os ouvirá por isso. É verdade que devemos nos esforçar para fazer o melhor para Jesus, mas isso não significa que devemos tentar arrancar a benção à força. Deus nos ouve porque nos ama, porque nos convida para um relacionamento pessoal e verdadeiro com Ele, e não porque merecemos coisa alguma. Não merecemos nada pelo que fazemos, pois tudo que fazemos é nossa obrigação. Portanto, apague qualquer resquício de idolatria de tua vida e que Deus te abençoe!

(Pr. Franco e Rev. Silas)
-


VII Encontro de Educação Cristã tem data confirmada para 11 de junho , na Igreja Presbiteriana de Itapema



O Encontro de Educação Cristã é um evento promovido pela Secretaria Sinodal de Educação Cristã (SSEC/SIC) e, neste ano, está em sua sétima edição. Teve início no ano de 2010, em parceria com o Conselho de Educação Cristã e Publicações da Igreja Presbiteriana do Brasil. Contou, na ocasião, com o apoio da Editora Cultura Cristã, que patrocinou a vinda de alguns preletores.

Ao longo desses anos, a SSEC/SIC sempre tem tido a preocupação de trazer preletores de renome na IPB e que possam trazer ensino que edifiquem e que promovam o crescimento espiritual e conhecimento dos membros das Igrejas Presbiterianas no âmbito do SIC. Já estiveram conosco nomes como Rev. Mauro Meister, Rev. Cláudio Marra, Presb. Solano Portela, Rev. Augustus Nicodemus, Rev. Carlos Eduardo Aranha, Rev. José Roberto, Presb. Alexandre Almeida, Rev. Wilson Amaral, Rev. Sérgio Lima, Profª Márcia Barbutti, entre outros não menos importantes. Neste período, o Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil já esteve por diversas ocasiões, tendo esse evento já constando em sua agenda anual de visitas.
na 
Não será diferente em 2016. Neste ano contaremos, além da presença do Rev. Roberto Brasileiro, com outros nomes que, da mesma forma, trarão edificação e conhecimento aos participantes. Estarão conosco o Rev. Robinson Grangeiro e a Profª Roberta Fonseca. Você poderá conhecê-los melhor vendo seu currículo na página dos preletores e, melhor ainda, participando do evento deste ano.

A Comissão Executiva do SIC alterou a data do VII Encontro de Educação Cristã do SIC em função da dificuldade de ter a presença do Rev. Roberto Brasileiro, presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil. Um compromisso inadiável na cidade de Cascavel (PR) estava impedindo sua presença e, em consequência, a CE/SIC decidiu prorrogar o encontro.
Assim, o VII Encontro de Educação Cristã acontecerá no dia 11 de junho, na Igreja Presbiteriana de Itapema, e contará também com a presença do Rev. Robinson Grangeiro Monteiro, pastor da Igreja Presbiteriana de Tambaú, João Pessoa (PB) e da Profª Roberta Leonardo Fonseca, membro da equipe Mãos e Coração, da Secretaria Geral do Trabalho da Infância da IPB.
Mais informações sobre os preletores, programação e inscrição, você pode acessar a página do evento clicando aqui ou diretamente do seu browser, digitando www.sicipb.org.br/educacaocrista