terça-feira, 18 de novembro de 2014

     Mensagem  Dia da Bíblia 2014

Erní Seibert
Tu me tens ensinado desde a minha mocidade... Fica comigo enquanto anuncio o teu poder e a tua força a este povo e aos seus descendentes” (Salmo 71.17-18).
Antigamente, antes de haver rádio e televisão, ao final do dia, a maioria das famílias tinha um tempo de conversa. Família, neste caso, incluía os filhos, os pais, os avós e, muitas vezes, mais alguma pessoa, que morava na mesma casa. Quando se formava esta roda de conversa, os mais velhos passavam aos mais novos muitos ensinamentos.
Hoje, especialmente nas cidades, a família é cada vez mais nuclear e menos doméstica. Está cada vez mais raro filhos, pais e avós ficarem sob o mesmo teto. Com isso, perde-se muito do ensinamento que uma geração pode passar para a outra geração.
Na Bíblia Sagrada, há um Salmo que é considerado o Salmo dos anciãos. Neste Salmo, temos a oração de um velho que fala com Deus. A situação dos velhos era bem difícil naquele tempo. Não havia aposentadoria e outras coisas que a modernidade criou. E, nesta idade, as forças começam a faltar. Por isso, o velho se volta para Deus e confia em sua proteção e apoio.
Mas este Salmo, especialmente nos versículos 17 e 18, nos ensina algumas coisas sobre o encontro de gerações. Ele mostra que este encontro de gerações pode e deve ser em torno da Palavra de Deus.
O encontro de gerações com a Palavra de Deus

1.  Deus volta seus olhos a cada geração

Ele não abandona ninguém que nele confia. O texto bíblico diz: “Tu tens me ensinado desde a minha mocidade...” Quem ensinou este velho que agora está orando? O texto não diz explicitamente. Mas, logo em seguida, a resposta fica clara. Uma geração cuida da outra geração. Uma geração ensina a outra geração.
Este conceito de gerações, em nossa sociedade, está um tanto quanto abandonado. Há poucos anos, o Brasil era conhecido como um país de jovens. Hoje, já existem mais anciãos do que crianças. Por outro lado, com esta elevação do número de idosos, a atenção que precisa ser dada a eles cresce. E, se antigamente a família ampliada ou doméstica cuidava dos anciãos, hoje isso quase não acontece mais.
Mas Deus cuida de cada geração. Se Deus cuida das crianças, dos jovens, ele cuida também dos adultos e dos velhos. E ele quer cuidar dos mais velhos por meio dos mais novos, por meio das famílias. Nos Dez Mandamentos, um deles, que é o único mandamento com uma promessa, fala que devemos honrar os pais. Isso não tem uma idade limite.
Devemos honrar os pais o tempo todo.
Há vários textos bíblicos que falam sobre isso. Lembramos alguns:
A história de José e seu relacionamento com seu pai.
A história de Timóteo e seu aprendizado com a mãe e avó.
E o mais bonito é que Deus quer abençoar os filhos que cuidam de seus pais. Cuidar dos pais não deve ser um peso para ninguém. Por isso, Deus faz suas promessas estarem aliadas a este mandamento. Vejam que bonito exemplo encontramos no Senhor Jesus Cristo. Ele, sendo o Filho de Deus, honra seus pais. Ele se lembra de sua mãe, Maria, até na hora da sua crucificação. Deus está ao lado daquelas famílias que cuidam de seus idosos.
Quando uma geração é ensinada nestas verdades e cultiva este ensinamento colocando ele em prática, o ensinamento de Deus se perpetua. Assim como o apóstolo Timóteo foi ensinado por sua mãe e avó nas verdades bíblicas, assim também, nas casas, cada geração deve aprender e passar este ensinamento para outra geração.

2.  Deus utiliza uma geração para ensinar a outra

Uma das perguntas que muitas famílias se fazem é: qual o papel dos idosos em uma família? Qual a utilidade prática de ter idosos na família? Muitos idosos se fazem a mesma pergunta. Não é raro uma pessoa mais velha dizer que está só atrapalhando a vida dos mais novos. Ela se vê como um peso para a família, não vê mais sentido para a própria vida.
Cada geração, nos planos de Deus, tem um papel a realizar. A convivência entre gerações traz lições para cada geração. As crianças e os jovens podem aprender com os mais velhos como viver a vida com sabedoria. Também podem aprender sobre as limitações da vida, quando os mais velhos enfrentam limitações. Enfim, a convivência é uma rica troca de experiências.
Mas os mais velhos também podem aprender com as crianças e os jovens. Eles podem aprender sobre a alegria da vida que normalmente está presente nas crianças, sobre os dramas que os jovens enfrentam ao tomarem suas decisões mais fundamentais. Uma geração aprende com a outra e ajuda a outra.
Em nossa sociedade é muito comum que os avós, mesmo tendo uma renda pequena, sirvam de arrimo financeiro para a família. É necessário bom senso para evitar abusos nisso. Por outro lado, muito idosos, por terem uma renda regular, pensam que sua única função seja comprar presentes para os pequenos. Também é necessário bom senso nisso.
Mas há uma função que o Salmo que estamos estudando diz que os mais velhos podem ter. Os mais velhos devem dar seu testemunho de fé aos mais jovens. Os mais velhos devem falar de Deus e de Jesus aos mais jovens. É isso que o salmista disse que fazia.
Falava à nova geração sobre os grandes feitos de Deus.
Em nossa sociedade existem muitos falsos conceitos colocados sobre isso. Muitos repetem que as decisões sobre fé devem estar nas mãos das crianças e dos jovens. Que não se deve tentar influenciá-los sobre que rumo dar às suas vidas. Nada mais errado que isso. É função dos pais – e também dos avós – educar as novas gerações. O diálogo entre gerações deve ser mantido.
Como restabelecer o diálogo entre gerações? Nosso Deus é um Deus de diálogo. Ele fala conosco e nos ensina. Jesus Cristo era chamado de Mestre. Coloquemo-nos aos pés do Pai para podermos realizar este diálogo entre gerações. Aprendamos de Jesus.
Quando as gerações se reúnem em torno da Palavra de Deus, isso significa bênção para elas. Quando as gerações se reúnem em torno da Palavra de Deus, isso significa bênção para a Igreja e bênçãos para a sociedade.

Que Deus permita que a oração do salmista se realize na vida de todos nós. Amém.

* Reverendo Erní Seibert é secretário de Comunicação e Ação Social da Sociedade Bíblica do Brasil.